A relação materna com o filho nem sempre é equilibrada e perfeita como se imagina. Muitos são abandonados desde o nascimento ou ainda na infância.

Outros vivem junto com seus genitores, porém não se criam laços de afeto. Em outras situações, no entanto, há um grande esforço em restabelecer uma ligação de amor. Mas por causa das mágoas e emoções do passado, qualquer tentativa se inviabiliza.

Como já comentei anteriormente, a ligação entre mãe e filho é extremamente especial e delicada. Isso porque cada genitora passa seus valores, suas emoções, crenças e expectativas em relação à vida para o filho. É uma troca que começa desde a gestação, que se repete durante a vida e se acumula ao longo de gerações.

Dessa forma, é natural que muitos de nós tenhamos algum tipo de empecilho na relação com a figura materna.

O mais importante, no entanto, é reconhecer os registros que ficaram pelo caminho e que não foram trabalhados e curados. Isso porque são eles que te impedem de crescer hoje.

 

Você carrega feridas da relação materna se…

Para entender com mais detalhes o que estou falando, os sentimentos e impressões abaixo podem indicar que o desequilíbrio foi gerado pelo que se pode chamar de “ferida na relação materna”.

Então, você carrega feridas na relação materna se…

– Não confia em si mesmo;

– Não consegue aprimorar a intuição;

– Precisa da aprovação dos outros;

– Sente-se ou já se sentiu amado conforme o seu comportamento ou merecimento;

– Tem tendência a brigar ou até fugir de situações;

– Sente insegurança, ansiedade ou mesmo depressão;

– Tem ou já teve distúrbio alimentar;

– Acredita que precisa carregar a dor da sua mãe por ela;

– Busca aprovação, reconhecimento, admiração e amor incondicional da mãe;

– Fica tenso ou ansioso enquanto passa um tempo com a mãe;

– Sempre toma decisões baseado no bem-estar da mãe, para não decepcioná-la ou não entrar em conflito com ela;

– Sente que não é apreciado ou considerado pela mãe;

– Sente que vive um acordo em que não deve ter mais virtudes ou mais realizações do que ela;

– Sente insegurança ao expressar seus sentimentos para sua mãe, ou provavelmente tinha muita dificuldade quando criança;

– Teme o abandono e a rejeição da mãe;

– Teme o abadono e rejeição dos seus relacionamentos primários, principalmente de parceiros (as) afetivos (as);

– Raramente se sente bom o suficiente;

– Tende a sabotar seus próprios esforços, inclusive enquanto estes estão prestes a florescer;

– Considera-se o responsável por solucionar, resgatar e administrar os vínculos da família;

– Acha que precisa agradar a todos.

Você se identificou com um ou até mais sentimentos? E mais, olhando para a relação com a sua figura materna, existe a possibilidade de algo ter ficado no meio do caminho e que não esteja resolvido dentro de você?

 

Os registros akáshicos e a linhagem sagrada

Lembre-se de que nem todos esses sentimentos foram gerados por você. Parte veio da sua mãe, da sua avó e de antecessoras que repassaram crenças limitantes até chegar na sua existência.

Você provavelmente não as criou, mas de alguma forma permitiu que elas se tornassem uma verdade.

Boa parte dos ensinamentos foram assimilados ainda na infância. E todos nós ainda carregamos os registros da nossa criança interior.

Ela está aí, com crenças que não são dessa criança, provavelmente sem saber que existe a possibilidade de liberá-las.

Por causa disso, tais “feridas” podem desencadear reações, ansiedades, traumas por datas comemorativas, depressão e repressão.

O tratamento para se livrar destas mesmas feridas exige disposição e a permissão de buscar esse novo caminho.

É o início de uma jornada em que você assume um compromisso consigo mesmo para voltar a se valorizar.

Os exercícios de limpeza akáshica servem como um guia. Eles te ajudam a remover as emoções tóxicas, que travam todo o potencial energético, contido nos centros de força pelo seu corpo.

Por causa dessas crenças, sua energia não atua de forma abundante e próspera.

E para trabalhar o vínculo materno e padrões recebidos dos seus antecessores, te convido à vivência Ventre da Transformação – Corte o Cordão Umbilical e Crie sua Realidade.

 

Esteja pronto para dar um novo significado às emoções acerca da figura materna na sua vida.

Venha para a mudança!

 

Foto: Liana Mikah / Unsplash