Diante da potencialidade do nosso corpo, todos nós carregamos a energia masculina e feminina. Assim, não importa se é homem ou mulher, você possui as duas polaridades.

Como tudo na vida, o grande objetivo de nossa existência é buscar a harmonização, o equilíbrio. E quanto ao uso dessas energias, não é diferente.

Quando você direciona suas ações e sentimentos mais para o princípio de uma das polaridades ante a outra, o desequilíbrio se torna cada vez mais aparente.

 

Energia masculina e feminina nos relacionamentos

Há pessoas que passam a vida com essa descompensação, sem viver a totalidade energética, muito menos seu potencial espiritual. E isso ocorre por conta da falta de autoconhecimento e de observação das próprias tendências.

Alguns casais, inclusive, que vivem uma relação pai-mãe, em que deixam de se tratar como marido e mulher e se veem como figuras parentais. Infelizmente, isso não só afeta a energia sexual do casal, como também influencia a vida dos filhos, com exemplos de formas de tratamento distorcidas.

Em outros casos, os papéis de cada um no relacionamento é claramente separado, envolvendo aí, qual polaridade o homem ou a mulher desempenha na vida a dois.

Mulheres na maternidade podem focar todos os aspectos da energia feminina. Dessa forma, deixam para que o companheiro se dedique a representar os princípios da energia masculina na relação.

 

Energia masculina e feminina interiormente

Mesmo vivendo um relacionamento, não cabe a você cobrar do parceiro (a) que ele ajude a equilibrar a energia masculina e feminina. Afinal, estando ou não em uma relação, você é responsável pelas vibrações que prioriza dentro de si.

Pessoas com tais polaridades descompensadas tendem a manifestar mais os aspectos de uma delas. Assim, para observar como está a sua balança, observe o que mais admira em um parceiro (a), pois estas características são exatamente o que você procura.

Vivemos, então, buscando alguém que preencha o que nos falta internamente.

A partir do momento em que você assimila que busca em outra pessoa exatamente o que te falta e passa a trabalhar isso, a sensação de dependência afetiva deixa de existir.

Em plenitude, reunindo a potencialidade da energia masculina e feminina, você vai atrair alguém igualmente completo ou ao menos nesta mesma jornada de harmonização interior.

 

Da separação à unicidade

Temos a base de conhecimento que nos ajuda a compreender essa questão de polaridades que se somam. De acordo com a filosofia chinesa do taoísmo, a clássica relação das energias yin e yang são o exemplo dualidade, de forças que não podem substituir uma à outra, mas que são necessárias, que se retroalimentam.
Yin = princípio feminino, Lua, noite, passividade e absorção

Yang = masculino, Sol, dia, atividade e luz

O pai da psicologia analítica, Carl Jung, também tratou deste tema ao longo de sua carreira. Ele trata das duas polaridades existentes em cada ser humano, em que cada uma tem diferentes características, mas que são necessárias.

Através delas é que se pode alcançar o equilíbrio e a sensação de unicidade com as forças internas.

 

Na infância

Há alguns anos era mais evidente esse papel separado entre homem e mulher no casamento e nos relacionamentos. O homem era o provedor, sério e distante da compreensão e manifestação das próprias emoções.

Já as mulheres cuidavam e, em muitos casos, interpretava um papel de subalterna do próprio marido.

 

São casais que criaram filhos com registros desde a infância, como:

-homem não pode chorar;

-homem é sempre mais forte do que a mulher;

-mulher é que sabe cozinhar;

-mulher é frágil;

-meninas não precisam estudar;

-meninas devem se preparar para cuidar do lar e um dia se casarem

 

Parece algo muito distante, mas que ainda possui resquícios na atualidade. O conceito de machismo é uma clara indicação da distorção entre as energias masculina e feminina.

Há não muito tempo, as mulheres começaram a abandonar esse papel de ser apenas uma figura materna para ser também parte da força de trabalho.

Para tal, tiveram que potencializar sua energia masculina, trabalhando o empoderamento, a imposição, a capacidade de ser igualmente provedora. Isso não significa que ela tenha abandonado a polaridade feminina.

O mesmo em relação aos homens, que têm se humanizado quanto às questões familiares e em contribuição ao trabalho com as mulheres.

 

O papel de cada polaridade

Energia feminina: responsável por movimentar a energia masculina e, esta por sua vez, reage a ela. Esta energia atua em várias direções ao mesmo tempo, com princípios subjetivo, emocional, de acolhimento, receptividade e impulso.

Energia masculina: é objetiva, racional e com foco em uma única direção. Atua em parceria com a energia feminina, com princípios de acolhimento, cuidado e fortalecimento.

 

Como buscar o equilíbrio

O primeiro passo para chegar ao equilíbrio entre a energia masculina e feminina é a autoanálise. Em meio a relações pouco duradouras ou doentias, é comum que as pessoas busquem a auto suficiência em todos os aspectos.

Desistem de viver um relacionamento e restringem cada vez mais os laços de amizade. É o processo natural de adaptação que todo mundo tem diante da realidade em que se vive. Mas é por opção.

Nessa busca da auto suficiência, a mulher contrapõe a energia masculina. E, com o homem, ocorre da mesma forma com a feminina. Nesse processo de cobrir vazios internos não compreendidos, a chance de descompensar o uso das energias é grande também.

Estes vazios vêm das crenças que você carrega ao longo da vida. Isso porque elas se baseiam em como absorveu essa interpretação do uso entre as duas energias dentro de si desde pequeno.

Vou lançar um curso de edição única nos próximos dias que contemplam exercícios nesta área. O curso Curando a Criança Interior: uma Jornada de Cura e Reconexão com os Registros Akáshicos busca fazer com que você identifique estes padrões. Assim, poderá eliminar o que não serve mais para que possa viver a sua identidade.

Conheça Mais Sobre Este Programa de Edição Única Aqui.

 

Foto: Hal Gatewood / Unsplash